terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Amigo secreto

Queria abrir rápido o bilhete. Abrir logo. Ver o nome de Maria Alice e acabar com aquela agonia provocada por ele mesmo. Ou não. Ver outro nome e ficar definitivamente com sua decepção. Mas nem pensava nisso, apesar de chance ser real, real e grande. Mas para ele era só Maria Alice. Era como estivessem fazendo amigo secreto só ele e ela.
Olhou para ela. Pensou nela com aquele sorriso, que mesmo sem o segundo pré molar superior era encantador. Ao menos para ele. Ele sabia que seus amigos não tinham a mesma opinião. Sempre que o assunto era “quem é a menina mais bonita da sala?” seus amigos apontavam Rosângela. Ele concordava, também dizia ser Rosângela, mas no seu íntimo, que preferia manter consigo, Maria Alice era a mais bonita da sala. Da sala, de todas as quintas séries e de todo o colégio. E de todo o mundo, afinal para ele o colégio e o mundo eram a mesma coisa.
Abriu devagarzinho, com as duas mãos próximas ao rosto. Viu a primeira letra, que era A. Os ombros, que estavam levantados repentinamente caíram com sua decepção. Depois disso abriu rapidamente. Leu e sorriu. Não estava escrito Maria Alice, como previa, mas apenas Alice. Olhou para ela novamente. Ela cochichava no ouvido das amigas quem havia pego no amigo “secreto”. Elas davam risadinha. Imaginou as amigas dando risinhos quando ela disse que também o havia pego. Mas será que elas estão rindo de maneira positiva ou negativa? Deixou pra lá. Não importavam as amigas. O que importava é que ele havia a pego e ela o pego.
No mesmo dia foi calado até o ponto de ônibus. Mesmo com os amigos fazendo algazarra ele nada dizia. Calado, com o pensamento longe. O pensamento já tinha ido embora, junto com Maria Alice e sua van escolar enquanto ele caminhava até o distante ponto de ônibus.
Ao anoitecer deitou-se na cama com um sorriso no rosto. As mãos atrás da cabeça e os olhos direcionados ao teto desenhando a imagem dele entregando o presente. Ela o abraça. E depois ela revela o seu amigo secreto. E um novo abraço. O ano já estava terminando. Ficariam sem se ver até a volta às aulas e naquele período lembrariam um do outro por meio dos presentes.
Presentes? É verdade. Ainda não havia pensado o que compraria. No outro dia iria até a lojinha de R$ 1,99 para ver o que daria. Iria insistir para que a mãe lhe desse mais dinheiro para poder comprar algo até mais caro que o preço máximo: R$ 4,99. Se fosse daqueles que comprasse lanche no recreio iria guardar dinheiro. Mas como comia todos os dias o lanche dado pela escola, com prato, colher e xícara de plástico azul da fundepar, continuou comendo do mesmo jeito.
No outro dia até deixou o desenho de lado para ir para a lojinha. Passou quase a manhã inteira vendo tudo o que tinha. A cada coisa que olhava imaginava-se presenteando Maria Alice. Acabou saindo de lá saiu sem saber o que daria. Queria dar tudo se pudesse.
No almoço contou para o pai e a mãe que tinha tirado Maria Alice e precisava comprar um presente. Pediu dinheiro, mas nenhum lhe deu. Disseram que até lá resolveriam.
O esperado dia chegou e se resolveram algo não o disseram. Acordou cedo. Era só pegar dinheiro com a mãe e iria até a loja. Perguntou a mãe se havia esquecido. Ela havia esquecido, mas não lhe disse. Disse que já havia comprado um presente. Na verdade era uma bugiganga que nunca usou. Foi até o armário e pegou um porta jóia. Colocou numa caixa, pegou um papel de presente embaixo do colchão e embrulhou.
O presente não era feio, mas ele queria ter comprado. Escolhido pensando em Maria Alice. Mas sabia que ela iria gostar, mesmo não tendo nenhuma jóia para guardar.
Ele já quis ser o primeiro. Queria os abraços e sorrisos de Maria Alice o quanto antes. Quem sabe ganhasse até um beijo. Fez sua descrição e veio o primeiro abraço. O sorriso também. Ela sorriu mesmo ele acreditando que o presente poderia ter sido comprado por ele e por meio do presente demonstraria que gostava dela. Isso não ocorreu, mas o sorriso veio, aquele sorriso vago (dentalmente) e encantado.
E veio a vez dela. Se a professora não mandasse ele nem sentaria, tamanha era a certeza de que ela também o tinha pego.
Estufou o peito e começou a descrição dele. O peito, o ego e seu coração de menino se murcharam quando percebeu que a descrição não era sua, mas de Xico. Aquele que era considerado pelas meninas o mais bonito da sala. E em Xico ela deu um beijo.
Ele ficou chateado e mais murcho ainda. O principal presente seria o beijo, mas se o presente desejado não veio a solução seria aguardar o outro presente. E fico aguardando. Aguardando até o final, quando descobriu que quem o pegou foi Eduardo, que faltou.
Voltou para casa sem beijo e sem presente nem de consolo.

-------
Peço perdão pela última vez no ano aos poucos mas fiéis leitores por ficar tanto tempo sem escrever.
Aproveito o espaço cedido por mim mesmo para divulgar outros trabalhos:

Matérias publicadas na última revista do Crea-PR:
Cidades Conectadas

Um tripé para o futuro

Coberturas para o site Rap Nacional:
Festival Multicultural na Cidade Zero Grau

Rael da Rima e Will Cafuso lançam CD e EP em Curitiba
Postar um comentário