terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Pesquisa fechada ou aberta?

Uma pesquisa divulgada recentemente tem rendido discussão na capital do Paraná. Diz a pesquisa que o Curitibano é o povo que menos faz sexo. E quer saber? Eu concordo plenamente.
A pesquisa explica muitas coisas com relação à população da cidade (e seus respectivos estereótipos). Por exemplo, dizem que o Curitibano é um povo “fechado”. Deveras, o Curitibano é fechado. Se fosse mais aberto faria mais sexo. Tá certo, boa parte das pessoas que moram em Curitiba não são curitibanos, o que me leva a crer que a galera que quer transar vai para outros lugares e o pessoal que prefere manter uma alimentação saudável fica aqui mesmo.
Aliás, foi feito um ranking de fatores que determinam a qualidade de vida em dez capitais brasileiras. Na opinião dos homens Curitibanos o que define qualidade de vida para eles é:
1º Manter uma alimentação saudável.
2º Tempo de convivência familiar.
3º Sexo.
Tá bom. E agora me diz. Do que adianta ter uma alimentação saudável e ficar sem COMER?
No caso das mulheres da capital o sexo aparece em oitava posição. OITAVA POSIÇÃO. Pelo amor de Deus. No que essa mulherada pensa? Quer saber no que elas pensam:
1º Manter uma alimentação saudável (digo a mesma coisa do que para os homens).
2º Tempo de convivência familiar (não vou entrar no mérito).
3º Qualidade do sono (qualquer ser humano sabe que quem transa dorme melhor)
4º Cuidar da saúde (sexo é a melhor demonstração de que se está saudável).
5º Trabalhar no que gosta (sem comentários).
6º Hobby (não tenho palavras e nem forças pra comentar).
7º Convivência social (Quer convivência social mais saudável do que transar?)
8º Sexo (finalmente).
Mas a grande verdade da pesquisa (e o que me faz concordar com ela):
A mulher Curitibana é a que menos diferencia o sexo de amor.
Isso é a mais pura verdade. Dia desses, num churrasco desses, numa conversa dessas um amigo desses comentou com a sua namorada que “o homem quando solteiro tem relações sexuais com qualquer uma” (não exatamente com essas palavras). A frase do rapazote levou a namorada a ficar de cara virada e brabinha até o final da noite. Eles estão juntos ainda (eu acho). O fato é que a moçoila não soube compreender que o homem QUANDO SOLTEIRO tem relações com qualquer pessoa do sexo oposto, mas no momento em que está em um relacionamento mais sério (como era o caso dos dois) isso não acontece.
Enfim....a moçoila ficou braba por que?
Porque ela é Curitibana e como todas as Curitibanas ela não sabe diferenciar sexo de amor e consequentemente não entende como o homem consegue fazer essa diferenciação.
Por essas e outras que concordo plenamente com a pesquisa. E afirmo novamente: as mulheres de Curitiba não sabem diferenciar sexo de amor e não fazem sexo sem envolvimento.
E desafio todas as mulheres que moram, nasceram ou já passaram por essa cidade a me provarem o contrário.
Postar um comentário