domingo, 21 de dezembro de 2008

Cara-Crachá

Usar crachá no trabalho é uma coisa deveras importante, principalmente se tiver seu nome. Sabe comé....às vezes tem só um número, aí você continua sendo “O famoso 0503088” invés de ser “O Gustavo”. E o que o nome significa? Significa que você tem uma identidade dentro da empresa e dá a impressão de que você não é um explorado mas sim uma pessoa importante. Imagine só o CEO (Chief Executive Officer – em português bem claro: o Pica Grossa) quando passa por você dá uma olhadela esperta no crachá e diz como se fosse seu amigo de infância: “Bom dia Gustavo” (ou “Gustavão” dependendo do humor dele). Você estufa o peito e vai trabalhar feliz da vida, chega em casa e diz: “Amor. O Seu Correia é meu amigo. Ele é um cara muito legal” (que nem no filme “Caixa Dois”). Viram só o quão importante é o crachá?
Acho inclusive que as pessoas deveriam andar com crachá pela rua. Aí invés de resmungarem no ônibus um “cença?” diriam “com licença Bárbara?”. Pra mim, por exemplo, seria uma mão na roda (que expressão engraçada né? Qual será sua origem?) por que esqueço freqüentemente o nome das pessoas (até o meu de vez em quando). Aí eu não teria mais o problema de cumprimentar as pessoas com um abraço apertado, virar as costas e ficar tentando lembrar o nome. O problema é que às vezes as pessoas insistem em mudar de cara, aí não adianta muita coisa.

Também seria legal por que ninguém iria te chamar por apelidos idiotas, do tipo “Cabeção”. Outras pessoas que gostam muito do apelido (tipo eu) poderiam colocá-lo invés do nome.
Onde trabalhava até sexta-feira eu não tinha um crachá com nome e foto. Como fiquei pouco tempo por lá não se deram ao trabalho de fazer um crachá pra mim. Assim trabalhei três meses com um crachá que tinha o nome de “Provisório”. E aí como as pessoas me chamavam? Provisório! Nome maneiro né? Isso sim é identidade. A minha identidade era tão forte, mas tão forte que eu tinha até um apelido. É TINHA SIM. “Provi”.

---
Obs: Como me formei não poderia continuar trabalhando como estagiário. Sexta-feira deixei de ser o “Provisório” pra ser definitivamente um desempregado. Tem um emprego pra mim?
Postar um comentário